Andar na praia faz muito bem. Pro corpo, como qualquer atividade física, e pra mente. Um tempo longe de tudo, sentindo a maresia com o nariz e a pele, vendo as conchinhas soltas na areia – e tendo aquela dúvida se você leva isso pra decorar (acumular poeira?) na sua casa ou não.
Os bichos humanos na praia constituem uma fauna à parte. Desde os nativos, donos do espaço, aos alienígenas (como eu) que ficaram um ano sem aparecer no litoral ou aqueles que estão encontrando o mar pela primeira vez na vida. Os bonitos, os não-tão bonitos, os não-ligo-pro-que-você-pensa, os ligo-muito-pra-o-que-todo-mundo-pensa, os playboys, os que estão de boas, os que estão tomando tudo que vier pela frente (até água do mar, numa onda mais revoltada), os que vieram pelo sol (coitados, aqui no Paraná eles não acharam), os fitness profissionais (tênis, óculos, suporte de celular, boné, garrafinha, controlador de batimento cardíaco, calção que combina com a meia), os fitness de ano novo (havaina, pança e uma futura dor no joelho), os pescadores, os de mais idade, os de meia idade, os de idade, os de quase-idade e os mais novinhos.
Esses são os melhores de se olhar. Estão absolutamente e genuinamente maravilhados com a imensidão do oceano. É muito grande e esta ali, na frente. E se mexe. Ui, é salgado. Tá correndo atrás de mim… Não, tá fugindo, vou atrás dele… Tá correndo atrás de mim de novo. A areia é mole. Vou pegar onda com meu balde. Vou jogar nos outros… Não pode? Ai, caí. Não quero mais saber de água… Vamos lá no fundo? Lá no fundo. Mais no fundo! Lá, onde tá o barco.
Meninos e meninas estão correndo pra todos os lados. Definitivamente um lugar bom de cansar crianças – e pais – que depois voltam exaustos para as suas casas, onde as crianças começarão a perguntar: que horas a gente volta pra lá?
A única diferença deste verão é que, pela primeira vez, notei que fazem meninas de três aninhos usarem a parte de cima do biquíni. E pra quê?
É pra vestir igual adulto?
É pra dar suporte?
É pra meninas, desde cedo, saberem que elas têm que esconder essa parte de todos?
Nunca tinha me incomodado com a questão, até agora. Mas, se os meninos podem sair correndo, livres pelas areias só com suas pequenas sungas, porque as meninas não podem fazer o mesmo?
Escrevi hoje porque isso me incomodou. De verdade. Pode ser uma bobagem, bem bobagem, mas acho que aos três anos de idade todos deveriam poder ter a mesma liberdade. Que as malditas restrições sociais cheguem mais tarde na vida de todos.