Hoje faz três dias que terminou mais uma experiência de uma semana de workshop de improvisação seguida de uma apresentação de RESTA 1, o nome que damos a versão de MICETRO IMPRO™, de Keith Johnstone, aqui em Curitiba. Deu vontade de parar um pouco no computador e refletir sobre esse caminho até aqui.

A primeira vez que Daniel Nascimento (Barbixas/SP) e eu conversamos sobre trazer o MICETRO IMPRO™ para o Brasil era uma ideia de como poderíamos unir a vontade de ter um projeto que fosse pedagógico e artístico ao mesmo tempo. Afinal, foi isso que nos encantou quando vimos o projeto ao vivo no Canadá, enquanto fazíamos um workshop com o mestre Keith Johnstone em pessoa (se não sabe quem é, NÃO procure na Wikipedia que lá esta errado). Era uma noite de teatro em que subiam, em pé de igualdade no palco, atores com décadas de experiência e amadores com poucas semanas de teatro, todos atuando juntos. Não era algo acidental ou ocasional, fazia parte de uma filosofia inicial que respeitava essa amálgama de experiências e confiava no fato de que essa mistura tem tudo pra dar certo.

Mas será que dá certo fora do Canadá, coordenado por dois improvisadores com pouca experiência no formato?

Daí pra frente é que “a coisa” começa de verdade.

Ao voltar para Curitiba e compartilhar as minhas vontades com o Antropofocus™, começamos com o projeto berçário de improvisos de cena que foi o Improfocus™ (é um projeto que pode voltar a qualquer momento, quando estivermos fazendo cenas improvisadas apenas com integrantes do grupo e poucos convidados). Ele trouxe para nós um pouco do frio na barriga que é improvisar ao vivo junto com os outros integrantes do grupo. Também rendeu a descoberta de como fazer a produção de um trabalho como este (é, amiguinhos, no mundo fora de Holywood a gente tem que se virar com isso também). A parceria com a Cia dos Palhaços, tanto no espaço quanto com o grande elenco, fez com que no final de outubro fizemos algo chamado IMPROFOCUS™ Especial, que era quase que um MICETRO IMPRO™, mas ainda não com todos os detalhes. E deu certo! O público gostou, os improvisadores ficaram felizes, tudo certinho. Então, agora, quem sabe podemos dar um passo maior que a perna?

Durante a volta para o Brasil e a organização desse período inicial, consegui produzir para o Brasil duas oficinas com mestres canadenses, que trabalham diretamente com Keith Johnstone e que tem uma conexão forte com este tipo de trabalho: para novembro de 2011 Shawn Kinley e para abril de 2012 Frank Totino. E tanta coisa aconteceu entre uma oficina e outra.

Tudo a seu tempo. Primeiro devo dizer que tenho a sorte de morar em uma das cidades fora do eixo Rio-SP que tem um número grande de improvisadores interessados em trabalhar com esta técnica e de evoluir em seu trabalho. O projeto RESTA 1 não seria possível sem este material humano.

Shawn Kinley

Tivemos o workshop com o primeiro canadense. Shawn Kinley é um profissional incrível. Durante os três dias de workshop ele nos forçou a encarar o universo da cena com maior amplitude, não diminuir as possibilidades narrativas e a localização especial porque a cena era improvisada, estar presente e levar a história adiante. Foi com a direção dele e do Daniel Nascimento que fizemos o nosso primeiro MICETRO IMPRO™ em Curitiba. Em novembro do ano passado a nossa versão ainda se chamava “Teste de Elenco” e tinha a seguinte linha de espetáculo: vários improvisadores estão disputando o papel principal em um grande filme e a plateia são os produtores deste longa metragem. Portanto, são eles que vão decidir quem será o nosso ator principal ao final da noite. Durante aquele primeira noite, tivemos grandes surpresas. Tivemos a certeza, Daniel e eu, que tínhamos começado com um projeto incrível, mas que não sabíamos detalhes importantes sobre ele ainda. Algo parecia levemente fora do lugar.

Entre novembro de 2011 e abril de 2012 apresentamos RESTA 1 mais 6 vezes, todas elas com a mesma perspectiva: para um improvisador participar do projeto, ele teria que participar dos ensaios anteriores a apresentação. Dentro deste período algumas coisas aconteceram. Primeiro, mudamos o nome de “Teste de Elenco” para RESTA 1 definitivamente. Em uma das nossas apresentações em Dezembro de 2011, um amigo meu chegou na bilheteria para comprar ingresso e teve esta conversa com o bilheteiro do teatro:

Amigo – Oi, eu gostaria de comprar um ingresso para a peça.

Bilheteiro – Olha, hoje não tem peça não. O grupo tá fazendo um teste de elenco aí hoje.

Quando até o bilheteiro do teatro não sabe o que o nome do seu espetáculo significa, você pode ter certeza de que fez a escolha errada.

Também tiramos todas as questões em relação ao TESTE em si, porque na versão original, o MICETRO IMPRO™ é uma disputa de mentira. Não importa quem ganha, não importa o finalista. O que importa são as cenas feitas naquela noite.

Frank Totino

Se eu fosse resumir os dois workshops internacionais que tivemos em Curitiba, que parece coisa de entrevista piegas de televisão, eu diria que o workshop com Shawn nos abriu para as infinitas possibilidades que a cena improvisada nos trás, e o workshop com Frank nos mostrou que é possível, para qualquer um de nós, improvisar bem: basta pensar no outro.

O melhor de tudo isso foi poder parar para pensar no RESTA 1 hoje e perceber o quanto ele é agregador. Ele trouxe para perto muitas pessoas talentosas, com quem não não tínhamos tido a oportunidade de trabalhar. Ele possibilita um intercâmbio dinâmico com profissionais do mundo todo. É um projeto de improviso que não descarta o conhecimento teatral, pelo contrário, ele requer boas interpretações. E, principalmente, é um projeto pronto para receber quem ainda não tem experiência, mas tem vontade de estar no palco.

Obrigado a todos os amigos que participaram deste começo de história. Espero a sua companhia durante o resto dela.

Semana passada chegou o segundo professor canadense. Frank Totino fez um workshop em que você estava sempre voltado ao outro improvisador, em como trazer a cena para que seu companheiro de palco estivesse bem e feliz de estar ali com você. Foi com a direção dele e minha que fizemos o nosso último MICETRO IMPRO™ (até o momento deste artigo) e que foi novamente uma grande momento de descobertas.