A corrupção esta presente em vários níveis na sociedade brasileira. Entre os políticos se fala o tempo todo, apesar de se fazer efetivamente muito pouco. Entre os empresários se fala quase sempre, e não se faz muita coisa. Mas quando a pessoa quem faz é colega “artística”, a corrupção ganha níveis de evento pop-star. Prepare as toalhas brancas e bora falar de um caso de uso da lei que dá vontade de gritar: pega, mata e come!

Maria Bethânia vai escrever um blog (ela não, alguém vai escrever pra ela). Neste blog, ela vai postar uns vídeos (ela não, alguém lá vai postar, provavelmente no Youtube onde a hospedagem é gratuita). Ela vai declamar poesias diariamente por um ano (isso ela vai fazer mesmo, a não ser que façam uma animação dela em 3D e contratem imitadores). Para esse trabalho, Maria Bethânia quer um milhão e uns quebrados.

É ruim saber que a prestigiada cantora pediu essa quantia ao Governo. Pior ainda é saber que o governo deu. Mas não deu de um jeito qualquer, deu através dos outros. Você, caro leitor do blog, conhece a Lei Rouanet?

Ela foi criada para apoiar projetos culturais da seguinte forma: o governo permite que você capte, com empresas privadas, parte do dinheiro destinado ao imposto de renda. Dessa forma, em todo o território nacional, todas as manifestações artísticas teriam a chance de conseguir apoios financeiros. Correto?

Infelizmente não. Discrepâncias fortes acontecem nesta lei. A maior delas é que, para você convencer a empresa a apoiar você, você tem que provar a ela que o seu “produto” terá alta inserção na mídia. Ou seja: é mais fácil a Maria Bethânia convencer uma empresa a apoiar seu projeto de milhão do que um grupo de teatro de Curitiba captar 12 mil.

A maior loucura, deste último episódio, é que este famigerado blog é uma coisa ridícula de simples de ser feita, poderia ser realizada com apoio direto facilmente sem precisar de lei, já que a fama da Maria Bethânia é enorme. Vergonhoso!

Obrigado ao CHARGE.COM de ter nos vingado a todos com a charge musical abaixo.

%CODE1%

PS – Sim, este artigo é simplista, tolinho e rasteiro. Quer ler algo mais profundo sobre o assunto? Concordo bastante com este artigo AQUI.

Ah, se você quiser um exemplo, veja o lindo vídeo abaixo e abaixo que, por apenas a bagatela de um milhão e trezentos (antes de ser corrigido, o projeto custava um milhão e oitocentos) você pode ter 365 deles.

%CODE2%