Barak

Novo Presidente

 

E aí? Tá animadíssimo com o novo presidente americano? Tem muita gente no mundo todo que está de Barak armada com a nova presidência americana, mesmo antes que ela faça alguma coisa. É um fenômeno conhecido por nós, brasileiros. Como se, ao nos depararmos com uma queda de um preconceito – como um negro ou um torneiro mecânico chegando a presidência – estivessemos dizendo que somos melhores do que éramos há poucas semanas atrás.

 

Nós continuamos a ser os mesmos.

 

Sempre me lembro de um sábio homem, funcionário da escola onde fiz o segundo grau, que cuidava do departamento de audio-visual. Uma vez eu perguntei para ele se, dentro de uma escola que sempre se achava tão eticamente qualificada, ele já tinha sido vítima de preconceito por parte dos alunos. Ele sorriu e só me disse: não, pois sou o "preto da casa".

 

Nosso preconceito geral ainda não caiu por terra, não. Nós só abrimos um espaço para que uns entrem, colocamos uma porcentagem "deles" dentro da faculdade, ainda temos nossos discursos recheados de cometários arcaicos sobre assuntos de pele, religião, opção sexual e classe econômica.

 

Obama vem para, finalmente, tirar das obras de ficção de Hollywood a figura do presidente não-caucasiano. Até o presente momento, é só o que fez. Esperamos o resto com cautela.

 

Velho Presidente

 

Pegando carona na mania que meus colegas antropofóquicos lançaram, de republicar coisas recebidas por e-mail, coloco aqui uma matéria da BBC Brasil, com a lista de pérolas de Mr. Bush, com votos de que seja o último da família a ocupar o cargo de presidente dos EUArgh!

 

___________________________________________________________________________________

Da BBC Brasil:

Bush ficou célebre pelas gafes e bobagens que falou. Todos os políticos cometem gafes e falam coisas sem pensar. Mas o presidente americano, George W. Bush, conseguiu tornar-se notório por isso. Os americanos até cunharam o termo "Bushismo" para classificar os lapsos verbais que se tornaram comuns nos últimos oito anos.

Confira abaixo alguns dos "Bushismos" que se tornaram célebres.

 

Sobre si mesmo 

"Eles me mal-subestimaram."
(Bush inventou a palavra 'misunderestimated')
Bentonville, Arkansas, 6 de novembro de 2000

 

"Não há dúvida de que no minuto em que eu fui eleito, as nuvens de tempestade no horizonte estavam chegando quase diretamente sobre nós."
Washington, 11 de maio de 2001

 

"Eu quero agradecer ao meu amigo, o senador Bill Frist, por se juntar a nós hoje. Ele se casou com uma menina do Texas, eu quero que vocês saibam. Karyn está conosco. Uma menina do Oeste do Texas, exatamente como eu."
Nashville, Tennessee, 27 de maio de 2004

 

Sobre política externa

"Há um século e meio, os Estados Unidos e o Japão formam uma das maiores e mais duradouras alianças dos tempos modernos."
(Bush se esquecendo da Segunda Guerra Mundial)
Tóquio, 18 de fevereiro de 2002

 

"A guerra contra o terror envolve Saddam Hussein por causa da natureza de Saddam Hussein, da história de Saddam Hussein, e a sua determinação de aterrorizar a si mesmo."
Grand Rapids, Michigan, 29 de janeiro de 2003

 

"O embaixador e o general estavam me relatando sobre a – a grande maioria dos iraquianos querem viver em um mundo pacífico e livre. E nós vamos achar essas pessoas e levá-las à Justiça."
Washington, 27 de outubro de 2003

 

"Sociedades livres são sociedades cheias de esperança. E sociedades livres serão aliadas contra os poucos odiosos que não têm consciência, que matam ao gosto de um chapéu."
Washington, 17 de setembro de 2004

 

"Você sabe, uma das partes mais difíceis do meu trabalho é conectar o Iraque à guerra ao terrorismo."
Washington, 6 de setembro de 2006

 

Sobre educação

"Ler é básico para todo o aprendizado."
Reston, Virginia, 28 de março de 2000

 

"Você ensina uma criança a ler, e ele ou ela ('he or her' em inglês, em vez do correto: 'he or she') vai conseguir passar em um teste de escrita."
Townsend, Tennessee, 21 de fevereiro de 2001

 

Sobre economia

"Eu entendo o crescimento dos negócios pequenos. Eu fui um."
Entrevista ao New York Daily News, 19 de fevereiro de 2000

 

"É claramente um orçamento. Tem muitos números nele."
Entrevista à agência de notícias Reuters, 5 de maio de 2000

 

"Primeiro, deixe-me esclarecer bem, pessoas pobres não são necessariamente assassinos. Só porque você não é rico, não significa que você está disposta a matar."
Washington, 19 de maio de 2003

 

Sobre saúde

"Eu não acho que nós devamos ser sublimináveis sobre a diferença entre nossos pontos de vista sobre remédios que exigem prescrição."
(Bush inventou a palavra 'subliminable')
Orlando, Flórida, 12 de setembro de 2000

 

"Doutores demais estão deixando o negócio. Muitos obstetras e ginecologistas não estão podendo praticar o seu amor às mulheres pelo país."
Poplar Bluff, Missouri, 6 de setembro de 2004

 

Sobre governar

"Eu tenho uma visão diferente de liderança. Uma liderança é alguém que consegue unir as pessoas."
Bartlett, Tennessee, 18 de agosto de 2000

 

"Eu sou o decisor, e eu decido o que é melhor."
Washington, 18 de abril de 2006

 

"E a verdade é que muitos relatórios de Washington nunca são lidos por ninguém. Para mostrar como este é importante, eu o li e Tony Blair o leu."
Sobre o relatório Baker-Hamilton, em Washington, 7 de dezembro de 2006

 

"A única coisa que posso dizer é que quando o governador liga, eu atendo o telefone."
San Diego, Califórnia, 25 de outubro de 2007

 

"Eu já terei morrido há anos antes que alguma pessoa esperta descubra o que aconteceu dentro do Salão Oval."
Washington, 12 de maio de 2008

 

Sobre outros assuntos

"Eu sei que os seres humanos e os peixes podem coexistir pacificamente."
Saginaw, Michigan, 29 de setembro de 2000

 

"Famílias são onde a nossa nação encontra esperança, onde as asas viram sonhos."
LaCrosse, Wisconsin, 18 de outubro de 2000

 

"Aqueles que entram no país ilegalmente violam a lei."
Tucson, Arizona, 28 de novembro de 2005

 

"Isso é George Washington, o primeiro presidente, é claro. O que é interessante sobre ele é que eu li três – três ou quatro livros sobre ele no último ano. Isso não é interessante?"
Washington, 5 de maio de 2006

 

foto de Rick Friedman