Eram sempre dele a primeira e a última frase:

 

– Sim!

– Não!

– … então é não.